Mecanismo de Revelação

Abril 20 2016

Numa recente notícia o Primeiro-Ministro com o seu Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, António Costa e Pedro Marques, dois veteranos da era Sócrates, anunciam com a pompa devida uma nova política de incentivo a pequenas e médias empresas. Revelando elevada consistência argumentativa com as dialécticas da sua ideologia, o ministro Pedro Marques afirma mesmo que as "empresas envolvidas deverão ter um aumento das exportações na ordem dos 60%".

 

E aqui fica o mote para os gráficos da semana. É mais que consensual entre economistas que as empresas que se dedicam às exportações são precisamente as grandes empresas. Poderia avançar com algumas das explicações habituais pelo qual isto acontece (Melitz, 2003), apenas vou dizer que não é por exportarem que as empresas ficam mais produtivas, mas é sim por serem mais produtivas que exportam. Mas como este é um comentário sobre dados, vamos saltar logo para a parte da evidência.

 

Para a primeira tabela, retirada de um relatório da OCDE, evidenciam-se as diferenças entre empresas exportadoras e não exportadoras. É notório algum padrão? Fica a ajuda, empresas exportadoras empregam em média 41 trabalhadores contra 8 das não-exportadoras; face à média os exportadores têm uma productividade superior em 13% enquanto não exportadores têm -5%.

exporters.png

 

Segunda figura, da Economist: produtividade medida como valor acrescentado por empregado para diferentes dimensões de empresas; distribuição da dimensão de empresas entre países da União Europeia. Conclusão: empresas pequenas são pouco produtivas e os PIGS são os países com a estrutura produtiva mais enviesada para pequenas empresas.

20120303_FNC653.gif

 

 

Finalmente, para tornar as coisas ainda melhores para Portugal, o seguinte gráfico, retirado de Braguinsky et al. 2011, mostra como o número de pequenas empresas tem ganhado peso no total de empresas: se em 1986 o número médio de trabalhadores por empresa era cerca de 16, em 2008 essa estatística passou para 9. Somos mesmo dos poucos exemplos da OCDE onde tal aconteceu com tal velocidade!

Branstetter.gif

 

Todos os nossos sucessivos governos estão de parabéns por tanto apoiarem as pequenas e médias empresas em detrimento daquelas que realmente são produtivas, que pagam altos salários, e que empregam mais trabalhadores (outras diferenças incluem, poluem menos, acumulam mais capital, etc.).

 

publicado por Palamedes às 19:13

Assuntos económicos economizando no perdulário.
pesquisar neste blogue
 
mais sobre mim
RSS